Life just as it is.
Looking for Alaska, John Green.
"Afastou-se de mim e disse suavemente, talvez para si mesma, ‘Cruzes! Não posso ser uma dessas pessoas que ficam sentadas falando que pretendem fazer isso e aquilo. Eu vou fazer e pronto. Imaginar o futuro é uma espécie de nostalgia.’ ‘Como assim?’, perguntei. ‘Passamos a vida inteira no labirinto, perdidos, pensando em como um dia conseguiremos escapar e em quanto será legal. Imaginar esse futuro é o que nos impulsiona para a frente, mas nunca fazemos nada. Simplesmente usamos o futuro para escapar do presente.’"
"E, no ‘quase’ do momento, eu me importei pelo menos bastante. Não sabia se gostava dela, tampouco confiava nela, mas me importava o bastante para tentar descobrir."
“‘Não é nem a vida nem a morte, o labirinto.’ ‘Hmm.. certo. É o que?’ ‘O sofrimento’, ela disse. ‘São as coisas erradas que fazemos e as coisas erradas que fazem conosco. Essa é a questão. Bolívar estava falando sobre a dor, não sobre a vida e a morte. Como saímos deste labirinto de sofrimento?’ (…) ‘O sofrimento é universal. É a única coisa que preocupa tanto os budistas quanto os cristãos e os mulçumanos.’”
"Além do mais, como a morte podia ser ‘instantânea’? Quanto tempo é um instante? Um segundo? Dez? A dor que ela sentiu nesses poucos segundos deve ter sido horrível. Seu coração foi esmagado, o pulmão parou de funcionar, e não havia nem ar nem sangue em sua cabeça, apenas desespero. Mas que diabos significa ‘instantâneo’? Nada é instantâneo. Arroz instantâneo leva cinco minutos, pudim instantâneo uma hora. Duvido que um instante de dor intensa pareça instantâneo. Será que ela tivera tempo de ver a vida passar diante de seus olhos? Será que eu estava lá? Será que o Jake estava lá?"
“‘Eu estava cansado de vê-la aborrecida sem motivo. Ela ficava triste e falava sobre a porcaria do peso opressivo da tragédia ou qualquer coisa assim, mas nunca dizia o que estava errado, nunca dizia o motivo por que estava triste. Acho que a pessoa precisa de um motivo. Minha namorada me deu um fora, por isso estou triste. Fui pego fumando, por isso estou irritado. Minha cabeça está doendo, por isso estou mal-humorado. Ela nunca tinha motivo, Gordo. Eu já estava cansado de todo aquele drama. Então a deixei ir embora. Santo Deus’”
“‘As últimas palavras de Meriwether Lewis foram: “Não sou covarde, sou forte demais. É difícil morrer.’ Não duvido que seja, mas não pode ser muito pior do que ser deixado pra trás.”"O koan é uma espécie de enigma que supostamente ajuda a pessoa a atingir a iluminação no zen-budismo. Em minha resposta, escrevi sobre esse cara, o Banzan. Certo dia, ele estava caminhando pelo mercado quando ouviu alguém pedir ao açougueiro o melhor pedaço de carne. O açougueiro disse, ‘Tudo aqui é da melhor qualidade. Você não encontrará um pedaço de carne que seja melhor que o outro.’ Ouvindo isso, Banzan percebeu que não havia nem melhor nem pior, que esses juízos de valor não faziam sentido porque o que existia era o que existia, e puf, atingiu a iluminação."
"A entropia cresce, as coisas desmoronam."
"Tínhamos de perdoar para sobreviver no labirinto. Tantos e nós teríamos que conviver com coisas feitas e deixadas por fazer naquele dia. Coisas que terminaram mal, coisas que pareceram normais na hora, porque não tínhamos como prever o futuro. Se ao menos conseguíssemos enxergar a infinita cadeia de consequências que resulta das nossas pequenas decisões. Mas só percebemos tarde demais, quando perceber é inútil."
"Se as pessoas fossem chuva, eu era garoa e ela, um furacão."

Looking for Alaska, John Green.

"Afastou-se de mim e disse suavemente, talvez para si mesma, ‘Cruzes! Não posso ser uma dessas pessoas que ficam sentadas falando que pretendem fazer isso e aquilo. Eu vou fazer e pronto. Imaginar o futuro é uma espécie de nostalgia.’ ‘Como assim?’, perguntei. ‘Passamos a vida inteira no labirinto, perdidos, pensando em como um dia conseguiremos escapar e em quanto será legal. Imaginar esse futuro é o que nos impulsiona para a frente, mas nunca fazemos nada. Simplesmente usamos o futuro para escapar do presente.’"

"E, no ‘quase’ do momento, eu me importei pelo menos bastante. Não sabia se gostava dela, tampouco confiava nela, mas me importava o bastante para tentar descobrir."

“‘Não é nem a vida nem a morte, o labirinto.’ ‘Hmm.. certo. É o que?’ ‘O sofrimento’, ela disse. ‘São as coisas erradas que fazemos e as coisas erradas que fazem conosco. Essa é a questão. Bolívar estava falando sobre a dor, não sobre a vida e a morte. Como saímos deste labirinto de sofrimento?’ (…) ‘O sofrimento é universal. É a única coisa que preocupa tanto os budistas quanto os cristãos e os mulçumanos.’”

"Além do mais, como a morte podia ser ‘instantânea’? Quanto tempo é um instante? Um segundo? Dez? A dor que ela sentiu nesses poucos segundos deve ter sido horrível. Seu coração foi esmagado, o pulmão parou de funcionar, e não havia nem ar nem sangue em sua cabeça, apenas desespero. Mas que diabos significa ‘instantâneo’? Nada é instantâneo. Arroz instantâneo leva cinco minutos, pudim instantâneo uma hora. Duvido que um instante de dor intensa pareça instantâneo. Será que ela tivera tempo de ver a vida passar diante de seus olhos? Será que eu estava lá? Será que o Jake estava lá?"

“‘Eu estava cansado de vê-la aborrecida sem motivo. Ela ficava triste e falava sobre a porcaria do peso opressivo da tragédia ou qualquer coisa assim, mas nunca dizia o que estava errado, nunca dizia o motivo por que estava triste. Acho que a pessoa precisa de um motivo. Minha namorada me deu um fora, por isso estou triste. Fui pego fumando, por isso estou irritado. Minha cabeça está doendo, por isso estou mal-humorado. Ela nunca tinha motivo, Gordo. Eu já estava cansado de todo aquele drama. Então a deixei ir embora. Santo Deus’”

“‘As últimas palavras de Meriwether Lewis foram: “Não sou covarde, sou forte demais. É difícil morrer.’ Não duvido que seja, mas não pode ser muito pior do que ser deixado pra trás.”

"O koan é uma espécie de enigma que supostamente ajuda a pessoa a atingir a iluminação no zen-budismo. Em minha resposta, escrevi sobre esse cara, o Banzan. Certo dia, ele estava caminhando pelo mercado quando ouviu alguém pedir ao açougueiro o melhor pedaço de carne. O açougueiro disse, ‘Tudo aqui é da melhor qualidade. Você não encontrará um pedaço de carne que seja melhor que o outro.’ Ouvindo isso, Banzan percebeu que não havia nem melhor nem pior, que esses juízos de valor não faziam sentido porque o que existia era o que existia, e puf, atingiu a iluminação."

"A entropia cresce, as coisas desmoronam."

"Tínhamos de perdoar para sobreviver no labirinto. Tantos e nós teríamos que conviver com coisas feitas e deixadas por fazer naquele dia. Coisas que terminaram mal, coisas que pareceram normais na hora, porque não tínhamos como prever o futuro. Se ao menos conseguíssemos enxergar a infinita cadeia de consequências que resulta das nossas pequenas decisões. Mas só percebemos tarde demais, quando perceber é inútil."

"Se as pessoas fossem chuva, eu era garoa e ela, um furacão."

new 💇

last night 💁

last night 💁

oh-die-bitch:

♥

have you ever been so wildly attracted to someone you can actually feel it driving you insane

Everyone has a 2 AM and a 2 PM personality.
(via seelengekritzel)
Tem sempre aquela pessoa, uma só, que tem tipo um passe-livre, uma carta branca na sua vida. Que vai ir, voltar, ir de novo e nunca vai parar de ser o que é pra você. Alguém pelo qual você nunca vai conseguir deixar de ter sentimentos. Todo mundo tem essa pessoa.
Vinícius Kretek.  (via destrutiveis)